Mostrando postagens com marcador série comunicação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador série comunicação. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 21 de maio de 2020

A imprensa e o seu papel como o 4º poder




Sabemos que a televisão teve uma acensão ambiciosa ao longo dos seus 50 anos de existência e se posicionou politicamente de acordo com os interesses que lhe coube , para exercer o maior alcance de influência possível. De acordo com seu histórico de vida e de uso, podemos identificar que na sua passagem,esse meio de comunicação fortaleceu e destruiu processos democráticos, pra não dizer das vezes que elegeu lideres ditadores ou religiosos.

Foi o que aconteceu em regimes fascistas, nos processos de catequização moderna, nas campanhas ditatoriais pela América latina e da própria soberania e supremacia americana. Sabemos que os regimes totalitaristas usam a mídia para gerar informações que causam contentamento e alineação.

na Alemanha a imprensa foi usada como ferramenta antissemitistas , as propagandas publicitárias tinham uma forte conotação política sugerindo o socialismo como ferramenta que promovia a recuperação da economia nacional. Hoje dia os discursos de extrema direita, são considerados ofensivos e proibidos na região.



Na América do norte ,no período da segunda guerra,a comunicação, incentivava as mulheres a uma ascensão ao trabalho ,com o objetivo de manter a economia. O que não acontece hoje em dia,que a misoginia tem um grande peso e é aplicada e distribuída como uma atitude aceitável. Ainda nos Estados Unidos , é importante observar mediante um discurso político que direciona todo a comunicação do país, para o incentivo do nacionalismo, do poder bélico, da supremacia, além de resquícios da polarização da guerra fria. Assim, ações intervencionistas são encaixadas como sendo parte do papel heroico e protecionista do povo americano. A comunicação politica também é muito clara. Mediante posicionamento partidário, os programas de tvs e jornalismo assumem uma posição democrata ou republicana, voltando seu discurso para o jogo político, mais do que as propostas em si. Liberdade de imprensa nesse lugar, pode ser considerado muito relativo, porque ao mesmo tempo em quem a circulação de informação, é considerada investigação, a vida privada tem um grande peso ,com a tendência de eleger derrubar um presidente a partir de uma ofensa de cunho pessoal. Assim a yellow press, (ou imprensa marrom) tem um protagonismo maior que sufoca todas as discussões em detrimento do poder político de um conjunto de lobistas afim de encobertar os problemas gerados pelo neoliberalismo.



Já em países como a Rússia, que não adere o capitalismo como modelo econômico, estão inclinados a ter a comunicação extremamente fechada para o mundo. Um regime totalitarista é uma solução usada para conter a adesão popular ao capitalismo. Então a imprensa é extremamente regulamentada para que a imagem país esteja em extrema ordem, em relação ao mundo ou exercendo um discurso fiscalizador para manter a lei.

Se até a imparcialidade há limitações, atribuída aquela visão romantizada do posicionamento e da função de perpetuar discursos para assumir função de utilidade pública, além da informação, na prática esse é um setor extremamente organizado para alinhar o seu discurso com planos de poder estabelecidos por partidos ou governos que aderem e propagam o capitalismo, o neo-liberalismo, as ditaduras ou modelos anti-capitalistas. Nem por isso deixam de ter um papel importante, uma vez que à partir da sua origem é possível ter clareza sobre a interpretação da mensagem.



A distribuição da informação é feita por agências como a Reuters, focada em investigações financeiras e geopolíticas sobre o mundo ; 

a American press dedicada a contar da perspectiva americana bem enquadrada política e economicamente no American way of life e sua visão de mundo; 

 A italiana ANSA e Agence France Press/AFP que conta com a perspectiva europeia que oscila entre a visão conservadora e uma versão mais progressista do ponto de vista europeu;

 E então temos as agência asiáticas como a Jewish Telegraphic agency (correspondente do departamento do governo judeu) e a mais importante delas ,Aljazeera.


Por fim as representantes da esquerda e independente organizada: Russia Today, Telesul, EFE, Prensa latina, Wikileaks, Reporters san frontier.


E qual a medida devemos dar a isso? Há alguns fatores a se considerar quando se constrói a missão da empresa com fins de comunicação. A variedade fontes torna o jornalismo mais plural e dinâmico e com a capacidade de promover debates produtivos à partir de procedência diversas. Acima de tudo, a informação é diamante bruto que deve ser lapidada e não apenas reproduzida.Em primeiro lugar preciso analisar o meio em que essa comunicação está inserida. Avaliando o Brasil, existe uma estrutura social onde dois grupos originários de dois grandes partidos políticos que revesavam no poder, uma burguesia sempre em estado emergente e as grandes massas. O que resta agora é saber o caminho a seguir.

terça-feira, 19 de maio de 2020

O público e a função da comunicação no Brasil









Objeto da comunicação é informar sobre os 3 aspectos sociais que mais afetam a vida em sociedade, são eles a política, a economia e a cultura. Nesse contexto é preciso considerar que o país no qual está inserido exerce em seu âmbito maior, influência nesses objetivos que são: a união do seu povo (não necessariamente pelo viés nacionalista); a proteção do seu território, recursos incluindo sua capacidade produtiva; e a segurança jurídica de estabelecer a ordem necessária para o desenvolvimento do país. Essas são as funções do Estado e não de partidos políticos que assumem o poder transitoriamente. Ou seja , uma comunicação que está comprometida com o seu país, significa que ela adota princípios apartidários ou assume um posicionamento baseado em princípios que mantenham esses objetivos.

No âmbito econômico e cultural é muito importante que a população esteja informada e consciente de qual é o seu papel como cidadão. Para que as pessoas possam agir de forma a resolver conflitos e organizar a vida em sociedade. Por outro lado o fator político vem de uma progressão atemporal e de um período anterior ao que a população vive hoje. Ou seja, a realidade atual está cheia de vícios de uma má construção do passado. E qual é a conjuntura política do Brasil?

Bem, o Brasil, antes de se tornar país, pertencia a Portugal ou seja, era colônia de Portugal. Isso significa que o país foi loteado para que grandes proprietários de terra portugueses pudessem explorar as riquezas do país e vender onde essa produção era rara em países europeus. E em torno disso surgiram as primeiras comunidades de cidadãos conservadores que estavam submissos aos modelos econômicos exploratórios de desenvolvimento. Que são: pessoas ricas são os grande proprietários de terras, que se utilizam de formas de barateamento do custo da produção através da escravidão e que são subordinados à monarquia ( ou seja um rei, soberano que governa o seu estado e suas colônias).


Em um determinado momento, a escravidão e os modelos de monarquia começaram a ser questionados porque não geravam consumidores, começou a se tornar economicamente inviável, além pouca mobilidade social, concentrando o poder como um direito pertencente a uma classe. Esse seria um momento de reparação histórica que o Brasil rompeu sem resgatar os negros da condição de escravos em detrimento de incentivar a imigração de trabalhadores europeus para substitui-los. E assim surgiram os títulos de nobreza no país. Os trabalhadores rurais europeus, faziam o mesmo trabalho , com a possibilidade de mobilidade social que eram garantidos pela compra e recebimento de um título ( conde, duque, marquês, visconde, barão) que davam garantias de circular no meio da alta sociedade ,arrendar ou até comprar terras, fazer negócios. Como produto de um modelo contra a escravidão, essa é a formação dos liberais brasileiros. Muitos imigrantes vieram da pobreza de outros países ganharam nome e prestígio e defendiam o liberalismo econômico. 

Les miserables
Essa também é a origem dos bairristas, grupos sociais divididos por identificação de nacionalidade que mantiveram algum estilo nacionalista da sua origem, agregou culturalmente, mas também disputavam uns com os outros por espaço e terras. Quando o Brasil se tornou um país presidencialista,esses dois grupos de liberais e conservadores começaram a se revezar no poder. O período histórico foi chamado de café com leite. No momento em que esses grupos começaram a se desentender ,que a disputa de poder culminou numa ditadura.

O Brasil é composto de uma estrutura sociopolítica onde é composta pelos os grandes produtores produtores e monopólios que exploram e extraem a matéria prima para transformar em bens de consumo, a classe média que em sua maioria está inclinada no desenvolvimento do comércio e uma classe que é negada a participação social e que é atribuída o trabalho manual ( que é o uso da força para trabalhos mecânicos, a negação do acesso ao conhecimento e a imobilidade social). É isso que queremos para o nosso país? É um caso a se pensar. Uma vez que essa estrutura deixa de ser economicamente viável , é possível caminhar para uma direção em que o país exerça uma influência maior através da sua soberania , do que de interesses individuais de partidos. A informação é um meio fundamental para que a cidadania se faça presente, sem extremismos, mas consciente de que um futuro melhor é possível.